sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A SÚPLICA DA ÁRVORE

 
Tu, que passas e levantas contra mim o teu braço, antes de fazer-me o mal, olha-me bem.

Eu sou o calor do teu lar nas noites frias de inverno.

Eu sou a sombra amiga que te protege contra o sol de dezembro.

Meus frutos saciam tua fome e acalmam tua sede.

Eu sou a viga que suporta o teto de tua casa, e a cama em que descansas.

Sou o cabo das tuas ferramentas, a porta de tua casa.

Quando nasces, tenho a madeira para o teu berço, quando morres, em forma de ataúde ainda te acompanho ao seio da terra.

Sou ramo de bondade e flor de beleza.

Se me amas como mereço, defende-me contra os insensatos e preserve os meus polinizadores.