terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Os benefícios medicinais do mel de abelha jatai

Abelha Jataí


O mel de jataí contém substâncias capazes de substituir antibióticos.
As doutoras Marilda Cortopassi Laurino e Dilma S.Gallis, fizeram uma pesquisa no Instituto Adolfo Lutz em S.Paulo, quando examinaram 14 amostras de méis de meliponídeos inclusive o mel de Jataí, constatando ação antibacterianas superior ao mel de Apis mellifera.
O mel de Jataí não possui sacarose, é composto por levulose, uma substância mais doce que a sacarose, numa concentração de mais ou menos 45% e de dextrose com uma média de 25%, muita água, por isso é mais fino e liquefeito em relação ao mel de Apis.
Além de catarata, o mel de Jataí é usado para tosse, bronquite e cicatrização de feridas.
O mel destas abelhas é mais fluido, devido ao maior teor de água, diferentemente do mel tradicionalmente encontrado no mercado
O mel produzido pelas abelhas sem ferrão é muito utilizado na medicina nativa para o tratamento de diversas doenças, é um excelente complemento alimentar

INDICAÇÕES 

· Descongestionante das vias aéreas nasais.
· Desentupimento dos brônquios , bronquíolos.
· Destrói as cepas bacterianas causadoras de infecções.
· Desenvolve maior capacidade criativa de anticorpos.
· Tratamento a todos os distúrbios respiratórios.

· Gripes e resfriados.

O mel das abelhas sem ferrão apresenta composição diferente do mel de Apis mellifera.
       
O mel da jataí é bem mais liquido do que o mel do gênero Apis e é mais rapidamente absorvido quando passado na pele. Seu pH é baixo (ácido). O mel tem sido utilizado na alimentação, como antisséptico, como conservante de frutas e de grãos e até para embalsamar, devido a sua ação anti-putrefante. Seu efeito como bactericida (bactérias gran positivas e negativas ) se dá devido a uma substância chamada de " inibina " ( resultado do acúmulo de peróxido de hidrogênio produzido pelo sistema da glicoseoxidase do mel ). O mel de jataí, quando maduro , é envolvido por potes ovais mais ou menos esféricos, medindo cerca de 1 cm de diâmetro cada um..


CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS DO MEL DA ABELHA JATAÍ (Tetragonisca angustula )
 
- líquido, com espuma superficial, aroma e sabor fortes.
- acidez (meq/kg) :31,66
- umidade :25,1%
- sólidos solúveis :74,728%
- sólidos insolúveis :0,172%
- açúcar invertido (frutose, destrose, glicose): 61,807% ( o mel de Apis tem, no mínimo, 72% )





Contato
nossaabelha@gmail.com

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Abelhas solitárias

Euglossinae (abelhas das orquideas) - abelhas solitárias
Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a grande maioria das abelhas não vive em sociedade ou em colônias com rainha e operárias. A maioria das espécies de abelhas é solitária, isto é, vivem sozinhas. Cada fêmea, individualmente constrói e cuida do seu próprio ninho. A fêmea morre antes de sua cria  nascer. Ou seja, não há contato entre as gerações. Desta maneira, o modo de vida de uma abelha solitária é bastante diferente do que conhecemos para aquelas abelhas que vivem em colmeia.
Vespinha (Corrigindo - abelinha - euglossa)
Halictidae

Acanthopus Palmatus

enxame

Abejita verde, Abeja de las Orquideas [Orchid bee] (Apinae euglossini)



Notylia  x Euglossini

Euglossa sp

verde metálico

The bug in the flower


Bombinae (mamangabas) - Abelhas solitaria ou semi-sociais

As mamangavas são também conhecidas por mamangaba, mangangá, mangava, mangaba, abelhão, bombolini, vespa-de-rodeio, vespão.São abelhas solitárias ou semi-sociais de tamanho grande e bastante peludas. Pertencem a várias famílias e os gêneros mais comuns são Bombus, Eulaema, Centris, Xylocopa e Epicharis. A maioria é preta e amarela e quando voam emitem um zumbido alto. As mamangavas são polinizadoras importantes e contribuem para a manutenção de muitas espécies de plantas nativas.

As mamangavas raramente picam, a não ser que as seguremos com as mãos. Apesar de terem o tamanho avantajado são extremamente dóceis, possibilitando que as observemos coletando o néctar e pólen das flores. As mamangabas, geralmente, fazem ninhos forrados com pedaços de palha em ocos de árvores ou no solo, preferencialmente em barrancos, podendo também fazer ninhos debaixo do piso de casas ou nos jardins. Esse pode ser um problema pois, pela sua importância na polinização de varias plantas, é proibida sua utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha.

A mamangaba produz mel em pouca quantidade e o armazena dentro de bolsas de cera e não de favos.


Mamangava polinizando  a flor de maracujá.

zangadão;mamangava???

Mamangava no Catasetum

Filhote de Mamangava

Maracujá e Mamangava

MAMANGAVAS são também conhecidas por mamangaba, mangangá, mangava, mangaba, abelhão, bombolini, vespa-de-rodeio também como vespão!!!

Mamangava


Meliponinae ( abelhas sem ferrão ) - Abelhas sociais

Os meliponíneos, ou abelhas sem ferrão constituem um grupo de abelhas formado por mais de 300 espécies conhecidas em todo o mundo. Elas caracterizam-se por serem sociais e possuírem o ferrão atrofiado impossibilitando o seu uso. Aliás, essa é a razão pela qual são popularmente chamadas de abelhas sem ferrão. Os meliponíneos possuem uma grande importância no ecossistema brasileiro. 
Mini-jataís
Os meliponíneos ou abelhas sem ferrão fazem parte da Subfamília Meliponinae da família Apidae (ver Conhecendo as abelhas para maiores detalhes). Essa sub-família divide-se nas tribos Meliponini e Trigonini que compreendem 52 gêneros e as mais de 300 espécies de abelhas sem ferrão identificadas. Os principais gêneros são dois: Melipona e Trigona. As colônias de Melipona possuem entre 500 e 4000 indivíduos, enquanto que aquelas de Trigona variam de 300 a 80.000 abelhas.
Apenas as espécies de abelhas pertencentes às Sub-famílias Apinae, Bombinae e Meliponinae desenvolveram completamente a sociabilidade, ou seja, a vida em sociedade.
abelhas
Essas abelhas são os principais responsáveis pela polinização da grande maioria das espécies vegetais do nosso país.
Além disso, seus produtos (mel, geoprópolis, etc.) são utilizados pela população rural como medicamentos e existe uma forte cultura popular do seu criatório e da apreciação de seus produtos.
Entrada Scaptotrigona postica (Canudo)

Abelha Borá Brava saindo

Macro - Abelha preta (arapuá)
 Entre elas, os meliponíneos foram as primeiras abelhas a desenvolverem totalmente o comportamento social. Isso, associado ao fato de que o seu processo de enxameação contribui para o isolamento de populações geneticamente próximas, pode ser a razão para a existência de tantas espécies.
Mandaçaia

Uruçu

Bom domingo a todos!!! zzzzzzzzzz

Ovoposição em Melipona mondury

Tubuna

Visita à Turneraceae

Pirata!

abelha-guarda de Melipona mandacaia (mandaçaia)

sábado, 11 de março de 2017

Mel de Jataí cura catarata

Mel de Jataí CURA catarata


Sim, experiência viva com meu avô (apaixonado por curas através da natureza), que utilizou desta receita abaixo e comprovou a eficácia do mel na eliminação da catarata. Com diagnóstico oftalmológico depois do tratamento.


A receita é simples, contudo o ardor é MUITO! portanto seja firme e espere o resultado surpreendente

Preparo
3 gotas de mel de jataí
10 gotas de soro fisiológico  (pode substituir por agua filtrada ou agua de coco fresca, JAMAIS industrializada)
misturar bem

Modo de usar
Aplique DIARIAMENTE  1 (uma gota) da mistura em cada olho com catarata (nao se preocupe caso esqueça um ou outro dia)

ARDE MUITO, contudo o ardor dura apenas 10 segundos, AGUENTE FIRME
em 2 meses a vista estará limpida sem nenhum sinal :)

Armazenar em geladeira em potinho lacrado(pois o mel de jataí fermenta em temp ambiente)

Espero que este post ajude muitas pessoas.

O Mel da abelha jataí possui propriedade antibiótica, como todo mel, contudo em quantidades bem mais significativas.

Fonte: http://www.legarb.com.br/2013/01/mel-de-jatai-cura-catarata.html



Como comprar o mel de abelha Jataí

O frasco de 250g de mel de abelha jatai sai a R$ 40,00.

Caso haja interesse mandar por e-mail o CEP para calcular o frete.

Depósito Bancario 
Caixa Economica / Lotérica
Banco Santander 

Email: nossaabelha@gmail.com

domingo, 20 de novembro de 2016


Brazilian Jataí Honey


As the old saying goes, “I’ll take my vinegar with a teaspoon and my honey with a ladle.” Throughout the ages, honey has been considered a source of energy. It is also a naturally predigested food. Foods that are broken up by enzymes outside the body are known as “predigested.” Sauerkraut, sourdough, sprouted seeds, and kombucha are examples of predigested foods by an external process. Honey, on the other hand, is in a category of its own whereas it is predigested by nature. Besides being easily assimilated, requiring little assistance from the gastric system, honey, in its wild form, is a great source of vitamins, minerals and food enzymes. One tablespoon daily will go a long way in promoting health and vitality.



“If raw honey cotains all of these qualities, then why are you writing about a different type of honey?” you may ask yourself. Is the Jataí honey any better?

Jataí is a municipality in southern Goiás state, Brazil, nicknamed Bee City. Its common name comes from the Indian Guaraní word “jateí” (pronounced “ja-teh-ee” ) which means “hard fruit.” Various palm-trees were called “jateí” because of its small coconut-type fruits. The Portuguese adapted the word to jataí.



The Jataí bees are a very efficient plant pollinator native to Central and South America, reaching as far as southern Mexico and northern Argentina. These bees are social, docile and they do not have a stinger. They are easily handled by beekeepers. Another name for them is “three doors,” because they close their beehive’s opening whenever threatened by predators. The size of their colonies varies from 2000 to 5000 bees.
This Jataí honey is one of the rarest in the world because the bees, although prevalent, are very small, creating a small beehive and producing less.


The honey is rich in vitamins, minerals, acids and amino-acids. It has various medicinal properties, such as antibiotic, antioxidant, and anti-inflammatory. Its effect as a bactericide (gran positive and negative bacteria) comes from a substance called “inibina” (a result from the accumulation of hydrogen peroxide produced by the honey’s glucose oxidase enzyme).


Brazilian doctors conducted a research on Jataí honey against fourteen other types of honey and were able to ascertain its superior anti-bacterial properties, as well as confirm its recommended use as a substitute for antibiotics. One of its known healing attributes is in fighting and preventing cataracts, but it is also used for cough, and the closing of open wounds.


Other recommended uses:
for sinus infections
for bronchial inflammations and all respiratory illnesses
for colds and flus
The Jataí honey has a finer texture than other types of honey and its flavor is more acid, therefore a tad bitter. It must be kept refrigerated to avoid fermentation. The honey is consumed as a nutritional element, it is used as an antiseptic, as a preservative and even as an embalmer due to its anti-putrifying qualities. The very light-in-color, almost clear, fragrant honey produced by these bees derives from a variety of plants, including many that comprise the shade cover for a diverse shade coffee system.


In Honduras, the honey is called “chumelo” honey and is prized for its supposed medicinal properties. In Colombia, their honey is highly prized and is credited with healing properties, especially to cure eye diseases such as cataract. Honey medicinal uses are widespread across all cultures within their range.

FIVE REASONS TO CONSUME JATAÍ HONEY:
It contains less fat (lipids) than regular honey
It provides medicinal benefits such as digestive aid, bronchitis, cataracts
It is a natural antibiotic
It stimulates the growth of native bees
It increases the polinization of native plants, biodiversity and it preserves the species.


by Christiano Figueira

domingo, 11 de outubro de 2015

Escolas no Rio incluem a meliponicultura em suas atividades educacionais

Amigos leitores e meliponicultores para mim é uma satisfação está empenhado para o crescimento da meliponicultura, pois sei que se investimos na meliponicultura como ferramenta fundamental na educação ambiental  nas escolas e no aprendizado de nossas crianças vamos ter um futuro promissor dentro da atividade e na preservação destas espécies como também para o meio ambiente.

É por isso que algumas escolas no Estado do Rio de Janeiro estão tendo esta oportunidade e experiência de ter incluso em suas atividades educacionais a meliponicultura e contam com meliponarios educativos com algumas espécies de abelhas nativas sem ferrão.

Juntamente com o Instituto Moleque Mateiro estamos desenvolvendo este projeto que tem alcançado algumas escolas do Rio de janeiro e vamos se Deus quiser ampliar para o maior número possível de meliponarios educativos em escolas.


Oficina de iscas alunos aprendendo a confecionar iscas para captura.
Cada aluno teve a oportunidade individual de conhecerem passo a passo a confecção das iscas
pet.
Conhecendo os discos de cria das meliponas.
Com as iscas prontas e contentes os alunos  levaram as iscas prontas para suas casas a fim de que seus pais pudessem espalhar as iscas pet com feromonio e cera, isto tem como  objetivo  chamar a atenção da importância da preservação das abelhas nativas sem ferrão como também oferecer a oportunidade dos alunos e os pais de criarem abelhas nativas sem ferrão através da captura em isca pet para polinização das variedades de plantas em suas propriedades.
Alunos conhecendo os discos de cria e sua estrutura.
Crianças conhecendo a colônia de mandaçaia por dentro da caixa ornamental.
Aprendendo a diferença entre os discos de cria novos e maduros.
Alunos aprendendo a história sobre abelhas nativas sem ferrão.
Alunos encantados com a colônia de abelha mandaçaia.
Meliponicultor Christiano mostrando a importância das abelhas nativas para preservação do meio ambiente.